Archive for the Bukowski Category

São Paulo, SP – The Cat with the Beautiful Eyes

Posted in Animal, Bukowski, Escultura, Literatura, São Paulo, Shots with tags , , on 11/08/2010 by tomazsp

Não gosto muito de Gatos, mas este eu gostei muito. Parado na grama, vendo o movimento passar, com seu olhos verdes reluzentes com jeito que brilha até no escuro. Ele era diferente de todos os outros, as crianças gostava de brincar com ele, mas os outros gatos diziam para manter distância dele, mas as crianças sempre iam. No fim, bom, aconteceu o que sempre acontece!

O nome desta fotografia, foi em homenagem ao velho taradão Bukowski, ele tem um poema com um nome parecido: The Man with the Beautiful Eyes. Trágico, mas algo muito real. Em sua essência muito belo. Eu traduzi esse poema dele, mas modifiquei para prosa. Irei fazer algo que nunca fiz aqui, postarei esse conto.

O Homem de Olhos Bonitos

Quando eramos criança havia uma estranha casa, Todas as venezianas ficavam sempre fechadas e nunca ouviamos nenhuma voz lá e o quinta era cheio de bambus e gostavamos de brinca nos bambus fingíamos ser Tarzan (embora não houvesse Jane) e havia um lago, um dos grandes cheio de peixinhos gordinhos, você já viu, e eles eram mansos. Eles vinham para a superfície da água e pegavam os pedaços de pão das nossas mãos.

Nossos pais diziam: “nunca vá próximo daquela casa”  então, com certeza, nós iamos. Nós perguntávamos se alguém morava lá. Semanas passaram e não vimos ninguém. Então um dia nós ouvimos uma voz dentro da casa “SUA PUTA MALDITA!”. Era uma voz de homem. Então a tela da porta da casa se abriu e o homem saiu. Ele estava segurando uma garrafa de whisky na sua mão direita. Tinha cerca de 30 anos. Ele tinha um cigarro na sua boca, precisava fazer a  barba. Seu cabelo era selvagem e despenteado e ele estava descalço. Usava camiseta e calça, mas seus olhos eram brilhantes, eles abriram com brilho e ele disse, “ei pequenos senhores, se divertindo bastante, eu espero?”. Então ele deu uma pequena risada e caminhou de volta para a casa.

Nós saimos, voltamos para o quintal de casa e pensamos sobre isso. Nossos pais, decidiram que nós ficassemos longe de lá, porque eles nunca quiseram que nós vissemos um homem como aquele, um homem naturalmente forte com olhos bonitos. Nossos pais estavam envergonhados por não serem como aquele homem, era por isso que eles queriam que ficássemos longe dele. Mas nós voltamos naquela casa e o bambu e os peixinhos manso. Nós voltamos diversas vezes por muitas semanas, mas nunca vimos ou ouvimos o homem denovo. As venezianas estavam fechadas como sempre e estava quieto.

Então um dia enquanto voltávamos da escola, nós vimos a casa. Tinha se reduzido a cinzas, não tinha sobrado nada, somente uma fundação negra retorcida e fumegante e nós fomos para o lago e não havia água lá dentro e o peixinhos gordos e laranjas estavam mortos lá, secando.

Nós voltamos para o quintal da minha casa e conversamos sobre isso e decidimos que nossos pais queimaram aquela casa abaixo, mataram o homem, mataram aquele peixinho, porque era todo bonitos, até a floresta de bambu tinham queimado.

Eles tinha medo do homem com olhos bonitos. E nós ficamos com medo de que nossas por toda nossas vidas coisas como esta poderiam acontecer, que ninguém queria que alguém fosse forte e bonito, que outras nunca permitiriam, e que muitas pessoas teriam que morrer.


Traduzi com a ajuda de dois amigos, gostei muito do resultado, foi difícil fazer está tradução, adaptar para prosa mantendo o sentido.

  • Câmera: Nikon P100
  • Configuração: Manual
  • ISO: 160
  • Exposição: 1/100
  • Abertura: F/3,5
  • Pós-Produção: Photoshop CS4, Color Efex Pro, Viveza

São Paulo, SP – Livro Aberto

Posted in Avenida Paulista, Bukowski, Cultura, Infrared, Literatura, Livro, São Paulo, Shots with tags , on 30/07/2010 by tomazsp

Quem não vê um Livro ai, não me venha falar que eu estou louco. Pois na hora que eu vi este prédio foi a primeira coisa que eu vi! Um livro aberto, sendo o do meio, e duas mãos segurando ele aberto. Uma composição bem diferente, mostrando que linhas retas podem representar sem intenção cotidianos ou cenas.

Preferi deixar em Infrared pois os detalhes tiveram um melhor realce. Os filtros do Nik são ótimos, sempre tem um que se encaixa com determinada foto. Mais para frente instalarei outros dele.

Ultimamente não estou lendo nada, férias me deixa preguiçoso, mas tenho já comprado Cartas de Rua de Bukowski que eu pretendo terminar de ler logo no começo de Agosto. Depois desse não sei qual irei ler, provável que eu leia algo do curso mesmo, talvez teórico.

  • Câmera: Nikon P100
  • Configuração: Manual
  • ISO: 160
  • Exposição: 1/500
  • Abertura: F/8
  • Pós-Produção: Photoshop CS4, Dfine, Silver Efex Pro

São Paulo, SP – Quilmes

Posted in Argentina, Bukowski, Cerveja, Shots with tags , on 24/07/2010 by tomazsp

Ontem na aula prática de fotografia por trás de recipientes com água, fiz essa com a garrafa da Quilmes com a luz de Tungstênio rebatendo na parede e iluminando o fundo, ficou um efeito muito bom, é uma das fotos que eu mais gostei até hoje. Uma simplicidade por trás no fundo da garrafa, lembra bem pouco aquela imagem das apresentações do filmes do 007, da visão de dentro da arma.

  • Câmera: Nikon P100
  • Configuração: Manual
  • ISO: 200
  • Exposição: 1/320
  • Abertura: F/3,5
  • Pós-Produção: Photoshop CS4, Color Efex Pro, Dfine

São Paulo, SP – Museu do Ipiranga – Fogo ao Monumento (HDR)

Posted in Bukowski, HDR, História, Museu do Ipiranga, Parque, São Paulo, Shots, Tilt Shift with tags , on 04/07/2010 by tomazsp

A um tempinho sem atualizações, volto com uma do Monumento da Independência feita hoje logo depois da Corrida dos Bombeiros, diga-se de passagem uma corrida muito louca, acho que foi a noite anterior também. Acho que Hank Chinaski se orgulharia de mim e se lembraria dos seus tempos no Correios.

O Monumento foi inaugurado em 1922, mas só concluído em 1926. Foi uma homenagem à comemoração do centenário da emancipação da política brasileira, sendo em seu todo representação de acontecimentos e personalidades importantes. Em futuros postagem irei mostrar os outros lados dessa bela obra de arte!

  • Câmera: Nikon P100
  • ISO: 200
  • Exposição: HDR 3 Exposições
  • Abertura: F/8
  • Manipulação: Photomatix e Photoshop CS4

São Paulo, SP – Jockey Club – Hipódromo (HDR)

Posted in Bukowski, HDR, Hipódromo, Jockey Club, São Paulo with tags , , on 14/06/2010 by tomazsp

Hipódromo do Jockey Club, nenhum cavalo a vista, logo sendo num domingo bem cedo. Neste Jockey há quatro circuitos ovais, sendo esse o externo gramado, é claro, e mais três internas de areia. O Jockey foi fundado em 1875 com o nome de Club de Corridas Paulistano e tendo sua primeira corrida só em 1876.  Se localizava na Brésser e só em 1941 foi inaugurado o da Cidade Jardim, este da fotografia. Hoje o Jockey abriga cerca de 1,500 cavalos puro-sangue inglês.

  • Câmera: Nikon P100
  • ISO: 200
  • Exposição: 1/457
  • Abertura: F/8
  • Manipulação: Photomatix e Photoshop CS5

São Paulo, SP – Jockey Club – Places (HDR)

Posted in Arquibancada, Bukowski, HDR, Jockey Club, São Paulo with tags , on 31/05/2010 by tomazsp

Não há nada melhor do que esperar pelo momento certo, conseguir clickar essa arquibancada vazia foi um pouco difícil. Um lance meio que de abandono recente e solidão. Com o HDR consegui dar um toque ao qual eu queria, ressaltando a cor da madeira.

Ainda não estou com facilidade de trabalhar com HDR, da para ver muito bem o ruído que há na foto. Preciso pegar um programa que diminua esse problema. E também trabalhando com JPEG, claro que vai ter muito uma presença considerável de ruído em relação ao RAW. Planos futuros há de vir!

Onde está Hank Chinaski? Aquele safado havia combinado comigo de ir numa Corrida de Cavalos! Acho que aquele putanheiro deve estar muito bêbado e escrevendo alguma coisa ou um Tour com suas poesias corrosivas. Dúvidas? Leia Bukowski!

  • Câmera: Nikon P100
  • ISO: 200
  • Exposição: 1/263
  • Abertura: F/6,3
  • Manipulação: Photomatix e Photoshop CS4